Guarda, Monumentos

Abrigos (casinhas) dos Pastores na aldeia de Feital

05/10/2007

Trancoso > Guarda > Mapa

1.jpg

Ao mesmo tempo que nos amedronta, também nos faz sonhar, a vida de pastor. A arte da pastorícia, da transumância confunde-se com a “arte” da própria terra. Calcorreando as serras e vales, ao frio, ao vento e à chuva, lutando contra lobos e lobisomens, contra perigos inimagináveis com sua flauta e seu fiel amigo. Ele conhece-as pelo nome, pelo olhar. Sabe se estão bem ou se algo as atormenta. Elas, as ovelhas, são a sua vida e ele o seu pastor!

Sempre me fascinou a vida de pastor, o sentido de liberdade que corre no sangue daqueles se apoiam no cajado. O constante contacto com a natureza torna-os mais sensíveis às coisas simples da vida, tornando-os seres especiais capazes de encontrar a beleza até na mais insignificante pedra que nos estorva no caminho.

A nossa cultura é riquíssima nas manifestações das artes da pastorícia. Desde o Gerês à Estrela, até às planícies alentejanas, afloram a cada passo imagens e saberes dessa arte antiga.

Desta vez foram os abrigos ou casinhas dos pastores que me enriqueceu a alma. São dados alguns grandes passos no sentido de preservar este riquíssimo património etnográfico, arquitectónico e cultural.

028.jpg

Pedras sobre pedra se constroem abrigos, suficientemente fortes para resistirem até aos nossos dias. Sem argamassas, sem vigas e escoras, sem estudos nem projectos.  

 040.jpg

Estes abrigos dos pastores espalham-se por toda a Serra do Feital, das Brocas e Vilares, estando documentados mais de uma centena. Tinham e têm com objectivo principal abrigar os pastores das intempéries.

Salvo uma ou outra excepção, por razões morfológicas do terreno, as casinhas estão viradas a nascente. Diz-se que a técnica usada na construção é de influência celta e a orientação dos abrigos a nascente transmitir-nos-á uma imagem de misticismo, o alinhamento com a fonte de vida, a energia vital do planeta, o Sol. Todavia outras razões se poderão adiantar para tentar explicar a orientação a nascente, nomeadamente a tentativa de não expor as entradas dos abrigos às correntes e ventos vindos do norte com um sopro fino e gélido, além de quase todos eles estarem situados na encosta este da serra.   

 037.jpg

Cada casinha comporta desde uma a mais de duas dezenas de pessoas.

 023.jpg

Apesar de não serem exclusivos da zona do Feital, já que podemos encontrar exemplares destas construções magníficas espalhados pelo norte de Portugal e Galiza, é aqui que um maior número se encontra concentrado. E até aos tempos hodiernos mais não chegaram porque, sabemos, que a consciência cultural que felizmente se começa a notar nos portugueses é recente e muitas das casas assim como muros meeiros implantados nas serras foram destruídos que para aproveitar o seu espaço mas acima de tudo para aproveitar a sua pedra. 

035.jpg

032.jpg

038.jpg

033.jpg

020.jpg

016.jpg

008.jpg

Ao longe a Serra da Marofa

006.jpg

002.jpg

041.jpg

Animação com o grupo musical Chuchurrumel

Comentários

Comentários

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply maria Freire 02/06/2012 at 18:02

    Na minha aldeia o Paraisal a esses mesmos abrigos de pastores dá-se o nome de choiços.

  • Este artigo foi escrito para si. Se gostou, comente...