Asia, Cambodja

O império esquecido dos Khmer – Angkor (Cambodja)

17/07/2009

17 de Julho

IMG_4683

Visto de cima, o Cambodja tem tons prateados. O país está completamente alagado, estamos no auge da época das Chuvas. Com as chuvas vem também o calor, o arroz e a abundância. O Cambodja transforma-se num celeiro!

A noite passada no aeroporto de KL fez das suas, deixou-nos sinais profundos no rosto, as costas curvas e o corpo dormente. Mas o espírito, esse, continua desperto, sedento de aventura, desejoso por desbravar caminho por esse quase esquecido império Khmer.

Os braços do Mekong estão por todo lado, mas aqui reina o lago Tonlé Sap “the worl’s biggest fish bowl”.

No aeroporto de Siem Reap, a cidade que serve de campo-base à exploração de Angkor, trata-se dos vistos, tem-se a primeira impressão do Cambodja e troca-se dinheiro! Se tiveres dólares estás safo, o riel cambojano ocupa um plano secundário!

Como em quase toda a Ásia, motorista de tuk-tuk que se preze ganha à comissão, isto é, leva os passageiros a determinado hotel e cobra… No entanto, como viríamos a verificar, este estratagema, que mais não é do que pôr em prática os mais básicos instintos de sobrevivência, estende-se por toda a parte, os seus tentáculos são gigantescos. Taréfas básicas como ir ao restaurante, comprar um bilhete de autocarro ou até fazer um visto, estão sob a alçada destas artimanhas, num país em que conseguir fazer dois ou três dólares significa assegurar o salário diário!

Os próximos dias estão reservados à exploração dessa mega cidade que foi Angkor. Do tamanho da cidade de Londres, estende-se por entre as entranhas da selva cambojana, convivendo com locais, macacos, elefantes e outras espécies raras. Construída pelo império Khmer há cerca de 1000 anos e apelidada como a primeira grande metrópole, Angkor foi abandonada subitamente no séc. XV, perdida na selva, continua a suscitar mistérios, especulações e a acalentar os espíritos irrequietos dos arqueólogos.

o "Bayon", o templo do Rei! No centro de Angkor Thom, tem cravadas 216 faces e 54 torres.

o "Bayon", o templo do Rei! No centro de Angkor Thom, tem cravadas 216 faces e 54 torres.

Angkor, em Khmer, significa “cidade”. Mas será justo reduzir a imponência destes templos, erguidos pela força humana, forjados a suor e lágrimas, a uma mera e vulgar palavra “cidade”. Não! Angkor é mais do que isso, é o símbolo de um povo, a identidade de uma nação, o orgulho de um dos países mais pobres do mundo, a beleza de algo grande que até na bandeira, azul e vermelha do Cambodja, figura!

Benedetto Croce, esse grande filósofo italiano, disse um dia que “não há poesia sem um complexo de imagens, e um sentimento que o anima”… Angkor é assim! Não é “palavra”! É um sentimento!

Um dos templos mais impressionantes, Ta Prohm! Escondido no interior da selva, foi inspiração para Tomb Raider!

Um dos templos mais impressionantes, Ta Prohm! Escondido no interior da selva, foi inspiração para Tomb Raider!

Raises Gigantes no templo de Ta Prohm

Raises Gigantes no templo de Ta Prohm

Palavras para quê?

Palavras para quê?

Caminho para o "Baphuon"

Caminho para o "Baphuon"

Regresso a Siem Riep e reparo como foi longo o dia! Desconcertante, de tal forma que não sei qual dos sentimentos me domina por dentro. Se a pobreza e o abandono a que grande parte das crianças estão deitadas, se a magnificência de templos que pareciam erguer-se da terra, não por força humana, mas por qualquer acto divino.

Releio lentamente a carta que Sary, uma das meninas que vende postais e outras coisas tais à entrada de Angkor Wat, me escreveu… penso no seu sorrido, imagino o seu futuro.

Obrigado Sary...

Obrigado Sary...

Adormeço, mais pelo cansaço que pela tranquilidade de espírito!

Comentários

Comentários

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply Angkor (Lost City) « os meus TRILHOS 19/07/2011 at 21:53

    […] O império esquecido dos Khmer – Angkor (Cambodja) […]

  • Este artigo foi escrito para si. Se gostou, comente...