Início Monumentos Evocar Serápis no santuário de Panóias, em Vila Real

Evocar Serápis no santuário de Panóias, em Vila Real

|

|

|

“Panóias, 6 de Outubro de 1951 Volto a este livro de pedras, onde o passado deixou gravadas as suas devoções. Estou nisto: coisas que falem, que respondam. Marcos, estrelas ou fragas com inscrições, mesmo delidas, onde a gente soletre uma intenção, um protesto, um voto. O pasmo bovino da natureza movimentado, contrafeito, reduzido pela compreensão a palavras ou caracteres inteligíveis. Paisagem com voz, que dialogue.” Miguel Torga, Diário VI, Coimbra, 1953

Este livro de pedra, como lhe chamou o escritor, tem-nos pregado algumas partidas. Penetrar nas suas entranhas mostrara-se uma tarefa hercúlea, e das várias investidas, batemos sempre com o nariz na porta. Mas à terceira foi de vez.

Quando se mergulha nas folhas deste áspero livro, com jeito ainda se ouve em surdina: Serápis…

Santuário de Panóias

Os Sacerdotes, alinhados, esperam a vítima. A faca trespassa o animal, enquanto o sangue escorre… Evoca-se Serápis, o deus dos Mortos.

Os fogos já estão acesos, e as labaredas rodopiam as sabor do vento. Queimam-se as vísceras das vítimas enquanto nos poços, já a transbordar do sangue da besta, os neófitos se vão purificando, banhando-se no líquido ainda quente.

Localizado na freguesia de Vale de Nogueira (Concelho de Vila Real) o Santuário de Panóias, embora pouco conhecido, é um dos mais importantes santuários da Península Ibérica.

A  Fragas de Panóias, como foi por muito tempo apelidada, adensou mistérios nos estudiosos, curiosidade nos transeuntes e a especulação em tantos outros.

Santuário de Panóias
Vista geral do santuário Rupestre de Panóias

A construção deste recinto sagrado teria sido realizada neste local entre os finais do Séc. II e os inícios do Séc. III.

As três grandes fragas erguem-se numa colina ligeiramente inclinada. Nas fragas, existiram outrora, templos erguidos em honra dos deuses. Nos afloramentos rochosos ainda estão cavadas as pias para onde jorrava o sangue e escadas talhadas também na rocha levavam o peregrino até ao templo.

Terá sido C. G. Calpurnius Rufinus, senador romano, que introduziu o culto em Panóias, onde já haveria um culto de divindades indígenas dos “Lapíteas” (designação que tem sido interpretada como o nome dos habitantes locais).

Na rocha lê-se: “Aos Deuses e Deusas e também a todas as divindades dos Lapitaes, Gaius C. Calpurnius Rufinus, membro da ordem senatorial, consagrou com este recinto sagrado para sempre uma cavidade, na qual se queimam as vítimas segundo o rito”.

Santuário de Panóias

Abandonamos e abandonamos-nos quando o sol de inverno banha o santuário e dá às rochas um tom morno.O sangue humano não correu por estas rochas, mas por aqui correram muitas promessas, evocações, expiações e votos.

Como chegar:

Partida de Vila Real, em frente ao Quartel do 13º Regimento de Infantaria, pela estrada N322 para Sabrosa. 0.7 Km – Passar sobre ponte; 2.7 Km – No extremo de Abambres, virar à esquerda no cruzamento para Sabrosa. 3.0 Km – Numa curva, entrada do Palácio de Mateus à direita.5.0 Km – Entrada em Constantim.5.8 Km – No extremo oposto de Constantim, no cruzamento, seguir à esquerda pela estrada que sobe ; sinal 1 Km Panóias.7.2 Km – Sinal amarelo à direita indica Panóias. Virar à direita e seguir para o parque de estacionamento junto à cerca. Localização do Santuário de Panóias ; Coordenadas: 41° 17′ 0″ N, 7° 40′ 55″ W

Como visitar:

O Monumento está dotado de estruturas e meios de acolhimento ao público, nomeadamente Centro Interpretativo (com a visualização de um filme), Loja, Guia, e Audioguias (Português, Francês, Inglês e Alemão). Visitas guiadas sob marcação.

O horário para o público é 9.00/12.30 e 14.00/17.00; encerra segundas (todo o dia) e terças (de manhã), está aberto aos restantes dias incluindo sábados e domingos.

Santuário de Panóias

Encerra nos dias 25 de Dezembro, 1 de Janeiro, 1 de Maio e 13 de Junho (Feriado Municipal).

Mais informações sobre o Santuário de Panóias:

IGESPAR, IP

Wikipédia

CulturaNorte

Fotogaleria do Santuário de Panóias

os meus trilhoshttp://osmeustrilhos.pt
Olá, somos o Sérgio e a Sandra (e agora também o pequeno Simão). Costumamos dizer que "somos viajantes a tempo inteiro e juristas nas horas vagas". Mas somos, acima de tudo, apaixonados pelo mundo, pelas viagens... sejam elas curtas ou longas. É da Guarda, a cidade dos cinco f's e por sinal a mais cidade mais alta, que procuramos abolir fronteiras. Com mochila às costas e botas calçadas venham connosco, entrem em autocarros apinhados, comboios eternos e estradas lamacentas… Tudo sobre nós >>>

3 COMENTÁRIOS

  1. Um reparo: a freguesia de Vale de Nogueiras, também denominada por Valnogueiras, já não existe. A reforma administrativa de 2013/2014 agregou-a com a de Constantim, passando a ser designada por União das Freguesias de Constantim e Vale de Nogueiras e fica no distrito de Vila Real.
    Vale de Nogueira é uma povoação da freguesia de Salsas no distrito de Bragança.
    Trata-se, portanto, de duas localidades distintas.

    Juvenal Nunes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Olá, somos o Sérgio e a Sandra (e agora também o pequeno Simão). Costumamos dizer que "somos viajantes a tempo inteiro e juristas nas horas vagas". Mas somos, acima de tudo, apaixonados pelo mundo, pelas viagens... sejam elas curtas ou longas. É da Guarda, a cidade dos cinco f's e por sinal a mais cidade mais alta, que procuramos abolir fronteiras. Com mochila às costas e botas calçadas venham connosco, entrem em autocarros apinhados, comboios eternos e estradas lamacentas… Tudo sobre nós >>>

Must Read

Lagos do Sabor, um azul imenso em Trás-os-Montes

Roteiro pelos Lagos do Sabor, em Trás-os-Montes. Lagos azuis, serras e vales profundos. Dicas para visitar Lagos do Sabor, alojamento, percursos pedestres

5 Vilas Medievais no Sabugal que tem mesmo de conhecer

Há 5 Vilas Medievais no Sabugal que todos devíamos conhecer. Não só porque são bonitas, mas acima de tudo porque estão umbilicalmente...

As melhores Praias Fluviais na Serra da Estrela (e arredores)

Já pensou em desfrutar destes dias de calor longe das multidões das praias do litoral, em plena comunhão com a natureza, no...

Moreira de Rei, a guardiã do planalto | Trancoso

Parece impossível que mesmo dentro do nosso concelho de nascimento ainda haja recantos a descobrir. É por isso que viajar é sair...

Penedros da Cabeça, um baloiço no coração da Beira

Em Lamas de Ferreira de Aves o confinamento deu frutos e um filho da terra deu asas à imaginação e construiu em...