Início América do Sul El Chaltén, com vistas para o Fitz Roy

El Chaltén, com vistas para o Fitz Roy

|

|

|

Quando chegámos ao aeroporto de El Calafate ainda não sabíamos muito bem que fazer. Não tínhamos a certeza sobre a melhor forma de chegar a El Chaltén, a aldeia sobranceira ao monte Fitz Roy…

Queríamos ter vindo de autocarro e percorrer os caminhos que separam Buenos Aires da Província de Santa Cruz, bem mais a sul. Quando descobrimos que precisávamos de 48h e um preço igual ao preço de um voo de 3 horas, desistimos rapidamente da ideia. O tempo, mesmo aqui na Patagónia, é um bem escasso.

Depois do scan às mochilas e de algumas perguntas sobre os tipos de alimentos que transportávamos – a circulação na Patagónia com frutas e outros alimentos semelhantes está sujeita a rigorosas regras – começámos a inquirição dos vários stands que havia no aeroporto. Fizemos contas e por fim lá optámos por pagar 280 pesos pela viagem entre o aeroporto e El Chaltén. Na prática seriam 220 km pelas estradas patagónicas e ficava bem mais barato do que ir para a cidade de El Calafate e depois apanhar um coletivo para El Chaltén.

La ruta 40... para El Chaltén
La ruta 40… que maravilla, no?

Apesar da van ir completamente cheia de aventureiros, viajantes e alpinistas, esta é uma viagem solitária, uma viagem de quase introspeção.

A maquina fotográfica dispara de vez em quando, mas é quase só isso.

Passamos pelo Lago Argentino e pelo Lago Viedma… há coisas que não se explicam, só mesmo vendo as fotos.

Por fim, o vislumbre, ainda que de relance, do Fitz Roy, através do vidro dianteiro da Van, fez nascer um sorriso, de orelha a orelha, na face do nosso companheiro norte americano.

Veio para cá de propósito para desbravar as escarpas quase virgens do “cerro”. Vem dos Estados Unidos carregado de material de alpinismo: cordas, arneses, tendas… enfim, tudo  que é preciso para sobreviver a 3 mil metros de altitude, numa das montanhas mais fascinantes do mundo.

Por fim, aparece o Fitz Roy!
Por fim, aparece o Fitz Roy!

O Fitz Roy é um monte nos Andes, já na fronteira com o Chile. Apesar dos modestos 3.375 metros, dizem que é dos mais difíceis de escalar do mundo.

O nome – Fitz Roy – é uma homenagem a Robert Fitz Roy, capitão do HMS Beagle, navio que levou Charles Darwin na sua viagem ao redor do mundo.

a caminho de El Chalten
A caminho de El Chaltén

Chamam-lhe a capital do Trekking e El Chaltén faz jus ao epíteto.

Chegámos já ao final do dia à pequena aldeia, mesmo a tempo de observar a quantidade de caminheiros que regressa à base, depois de mais um dia nas montanhas. Fazemos algumas operações de logística. Procuramos alojamento, comprámos alguma comida e planeámos os dias seguintes.

Cá estamos nós em El Chaltén, a capital do trekking :-)
Cá estamos nós em El Chaltén, a capital do trekking 🙂

Amanhã seria a nossa vez de subir à montanha.

O Hostel, o Rancho Grande, estava repleto de mochileiros. Depois de um banho, bem dado, preparamos a comida! Comemos lentamente, enquanto observávamos a agitada noite dos nossos “amigos” israelitas. Há muitos por estas bandas. Na entrada da porta, a mensagem que pede para não deixarmos aporta aberta, até está em hebraico.

Depois dos anos no exército, fazem-se ao mundo e viajam para estas paragens para “relaxar”.

Vamos lá para a caminha que amanhã o dia começará bem cedo!

 

Dicas e Informações sobre El Chaltén

 

– Se chegar ao aeroporto de El Calafate, saiba que existem serviços de bus diretos para El Chaltén (vale a pena ir diretamente para El Chaltén, em vez ir para El Calafate e depois seguir para El Chaltén. Apesar de ser um pouco mais caro, compensa pelo tempo e pela comodidade)

– Cada viagem, custa cerca de 260 pesos argentinos;

– Entre o aeroporto e El Chaltén são cerca de 200km e mais de 3 horas de viagem;

– Existem vários serviços diários de autocarro entre El Chaltén e El Calafate (a viagem demora cerca de 3 horas e custa 22 pesos argentinos)

 

os meus trilhoshttp://osmeustrilhos.pt
Olá, somos o Sérgio e a Sandra (e agora também o pequeno Simão). Costumamos dizer que "somos viajantes a tempo inteiro e juristas nas horas vagas". Mas somos, acima de tudo, apaixonados pelo mundo, pelas viagens... sejam elas curtas ou longas. É da Guarda, a cidade dos cinco f's e por sinal a mais cidade mais alta, que procuramos abolir fronteiras. Com mochila às costas e botas calçadas venham connosco, entrem em autocarros apinhados, comboios eternos e estradas lamacentas… Tudo sobre nós >>>

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Olá, somos o Sérgio e a Sandra (e agora também o pequeno Simão). Costumamos dizer que "somos viajantes a tempo inteiro e juristas nas horas vagas". Mas somos, acima de tudo, apaixonados pelo mundo, pelas viagens... sejam elas curtas ou longas. É da Guarda, a cidade dos cinco f's e por sinal a mais cidade mais alta, que procuramos abolir fronteiras. Com mochila às costas e botas calçadas venham connosco, entrem em autocarros apinhados, comboios eternos e estradas lamacentas… Tudo sobre nós >>>

Must Read

Lagos do Sabor, um azul imenso em Trás-os-Montes

Roteiro pelos Lagos do Sabor, em Trás-os-Montes. Lagos azuis, serras e vales profundos. Dicas para visitar Lagos do Sabor, alojamento, percursos pedestres

5 Vilas Medievais no Sabugal que tem mesmo de conhecer

Há 5 Vilas Medievais no Sabugal que todos devíamos conhecer. Não só porque são bonitas, mas acima de tudo porque estão umbilicalmente...

As melhores Praias Fluviais na Serra da Estrela (e arredores)

Já pensou em desfrutar destes dias de calor longe das multidões das praias do litoral, em plena comunhão com a natureza, no...

Moreira de Rei, a guardiã do planalto | Trancoso

Parece impossível que mesmo dentro do nosso concelho de nascimento ainda haja recantos a descobrir. É por isso que viajar é sair...

Penedros da Cabeça, um baloiço no coração da Beira

Em Lamas de Ferreira de Aves o confinamento deu frutos e um filho da terra deu asas à imaginação e construiu em...